Nossa História

Publicado em 14.11.2012 16:44:45

Década de 60: Fundação, Golpe Militar, Peleguismo

No início dos anos 60, haviam duas associações de professores: uma denominada Associação dos Professores Licenciados do Estado da Bahia(APLB); e a outra, Associação Profissional dos Professores no Estado da Bahia. É a partir da última que se fundou o SINPRO-BA. Era uma associação composta por 170 afiliados, porém sem uma iniciativa atuante em favor da classe.

Em 27 de abril de 1962, quando o Brasil vivia o regime parlamentarista, houve uma assembléia específica para atender as determinações da Delegacia Regional do Trabalho(DRT), que tinha como objetivos: 1) Aprovar a autorização para a transformação da associação em sindicato; 2) Aprovação dos estatutos do futuro sindicato.

A partir daquela assembléia, os professores mais atuantes tomaram a frente do processo. Nesse momento destacou-se o professor Hélio Carneiro, que já possuía vasta militância sindical, pelo fato de ser integrante do Sindicato dos Bancários.

Em 1963, a população aprovou a volta ao presidencialismo, e foi nesse regime que o SINPRO foi fundado, no dia 4 de março de 1963, com o nome de Sindicato dos Professores do Ensino Secundário, Primário, Comercial e dos Mestres e Contra-Mestres do Ensino técnico-profissional no Estado da Bahia. Ao longo do tempo passa a atender somente por Sindicato dos Professores no Estado da Bahia (SINPRO-BA). A Constituição vigente na época não permitia a sindicalização de funcionários públicos. Portanto, a APLB não integrou a formação do SINPRO.

Ainda em 1963 era grande a preocupação do SINPRO-BA com a questão democrática. Buscava-se representação do sindicato no Conselho de Alfabetização pelo método Paulo Freire; empenhava-se também por um representante no Conselho Estadual de Educação.

Diretoria Do Sinpro/1963

Em 10 de outubro de 1963, o SINPRO promoveu a Primeira Semana do Professor na Bahia,em comemoração ao dia do professor. Em 31 de Março de 1964,com o advento do Golpe Militar,o presidente do SINPRO, professor Hélio Carneiro, foi cassado, preso e o sindicato fica sob intervenção. O interventor vai ser o Sr. Jair de Brito, ex-presidente da ex- Associação Profissional dos Professores.

Em 1966, o sindicato sai do período de intervenção e é eleita uma chapa que apresenta Jair de Brito como Presidente. Este se afasta para exercer cargo público e Osmar Gabriel Soares assume a Presidência. O regime militar segue golpeando o processo político. O SINPRO permanece neutro e assume uma postura de sindicato “pelego”, “sindicato de carteira”.

O Presidente Osmar G. Soares é reeleito inúmeras vezes, manipulando as Eleições, até chegar em 1979. Bem, aí começa outra história…

 

Diretoria 1963 Sinpro-BA

 

 

Compartilhe!